Introdução

Neste artigo partilho alguns conselhos para ajudar a criar fotografias para publicações. Uma vez que sou fotógrafo de produto, os exemplos usados são de produtos mas, as ideias podem facilmente ser adaptadas a outro tipo de fotografia.

Para que serve a fotografia

Quando um editor solicita imagens para ilustrar um artigo, existe sempre uma história a ser contada, sendo a contribuição do fotógrafo criar imagens que complementam e ilustram essa história.

Acredito que as fotografias criadas para portfólio devem seguir a mesma lógica, ou seja, devem contar uma história, o que facilitará nas decisões sobre o que deve entrar ou não na fotografia, que adereços usar, que tipo de iluminação e ambiente a criar.

Criar uma história

Pode parecer uma tarefa simples, mas normalmente é bastante complicado ter ideias completamente novas, pelo que apresento algumas sugestões de como começar:

  • O produto é para homens, mulheres ou indiferenciado?
  • O produto é para ser usado numa ocasião específica? Natal, carnaval, …?
  • O produto é para usar durante o dia, noite ou é indiferente?
  • O produto é para ser utilizado em um ambiente específico?
  • Que adjetivos ajudam a descrever o produto?
  • O que é que tem de único, que deva ser destacado?

Todas estas perguntas ajudam a criar um contexto, tornando as decisões sobre as fotografias mais fortes e coerentes.

Criar um mood board

Agora que existe uma história para ser contada, é importante ter referências visuais para ajudar a dar contexto à história, sendo um mood board um excelente meio para o conseguir.

O mood board deve conter imagens com um ambiente semelhante ao que se pretende criar, adereços que podem funcionar com o objeto a ser fotografado, e ideias sobre os locais onde a história acontece.

Por exemplo: supondo que se vai fotografar uma garrafa de cerveja. Se se imaginar que essa cerveja será servida a um homem com idade avançada, numa taberna, numa zona antiga da cidade, isso ajudará a selecionar o tipo de fundo, iluminação e adereços.

Por outro lado, se imaginarmos que a mesma cerveja será servida num bar moderno para um grupo de  amigas, isso irá orientar para um caminho diferente no que se refere ao que a fotografia deve conter.

A título de exemplo apresento um mood board de fotografia de calçado, para um catálogo outono/inverno. Para ilustrar as ideias que tinha, usei materiais, imagens de referência e uma paleta de cores que se coaduna com essa época do ano.

Fotografia-publicidade-mood-board-calcado-Martins-Ribeiro

Criar uma paleta de cores

A definição da paleta de cores deve ser feita antes de se procurar os adereços ou fundos a utilizar.

Para se definir a paleta de cores, deverá começar-se pela cor dominante do produto. Consoante o ambiente pretendido, escolhe-se uma relação de cores (monocromático, complementares,…) que melhor ajude a contar a história. Esta escolha ajudará bastante na selecção dos adereços a utilizar.

Dica extra: Caso não se encontre um adereço com a cor pretendida, pode-se sempre alterar em pós-produção mas, atenção à luz refletida deste adereço pois pode introduzir cores indesejáveis na imagem.

As imagens abaixo apresentam testes de paletas de cores. Basicamente, inicio com a cor principal do meu produto e depois, usando uma roda de cores RYB, procuro algumas combinações para ver qual funcionará melhor na imagem.

Fotografia-publicidade-roda-cores-Martins-Ribeiro

Por esta altura, já se tem uma ideia bastante definida do ambiente que se pretende criar. Se se trata duma composição simples, talvez se deva usar uma combinação de cores simples. Se for uma cena mais complexa, uma combinação de cores mais elaborada pode ser mais adequado.

Horizontal / Vertical

Na maioria das vezes, é necessário criar uma imagem numa orientação específica.

Com os novos sensores de milhões de megapixéis, pode-se fotografar duma distância maior, cortando posteriormente a imagem para o formato pretendido, mas não é o mesmo que compor a imagem para uma orientação específica.

O que eu aconselho é, depois de fotografar na orientação pretendida, rodar a câmara e ajustar o que for necessário para a cena funcionar na nova orientação. Isto garante uma maior flexibilidade, caso surja uma alteração de última hora e seja necessário que a fotografia tenha uma orientação diferente.

Abaixo estão alguns exemplos. A primeira imagem foi criada em formato horizontal e depois, retirando apenas alguns elementos, uma nova imagem foi criada no formato vertical.

Fotografia-editorial-taças-vidro-cores-Martins-Ribeiro

Chiaroscuro

Na pintura renascentista, os pintores desenvolveram um estilo de representação da luz a que chamaram chiaroscuro. Abandonaram a forma tradicional de pintar e procuraram uma representação que transmitisse maior tridimensionalidade. Isso foi conseguido através de uma iluminação forte e direcionada, criando contraste entre claro e escuro.

Em fotografia, este conceito pode ser aplicado à maioria das composições, apenas com a mudança de posição da iluminação ou pela adição ou subtração de luz.

Nas duas fotografias abaixo, pode-se ver que sendo a mesma composição, ao alterar a posição da iluminação, o ambiente muda completamente.

Fotografia-editorial-copos-vidro-azul-verde-Martins-Ribeiro

A fotografia da esquerda tem a luz a vir do fundo dando uma sensação mais leve, o que se coaduna com um ambiente da primavera/verão. Isto porque no verão há muito mais luz refletida, o que preenche as sombras tornado-as mais claras.

Contrariamente, a fotografia à direita, não tem iluminação do fundo o que a torna mais escura, e toda a luz vem apenas dum lado e de modo controlado. Esta imagem evoca um ambiente de inverno, altura em que a luz é mais fraca e as sombras são mais carregadas.

Voltando à palete de cores, de referir como nestas imagens o fundo tem a mesma tonalidade de cor que os vidros fotografados o que confere consistência à imagem.

Exemplo: Capa de Revista

Este último conselho refere-se a fotografar para publicações. É muito importante considerar que as publicações necessitam de incluir texto sobre as fotografias.

É necessário estar ciente disso durante a composição da cena, para deixar espaço livre para o texto (espaço negativo). Assim, evitar-se-à ter texto sobre partes importantes da fotografia ou ter texto que perde leitura.

Nas imagens abaixo, criei dois estudos: uma capa e um spread interior para uma revista. A capa tem toda a informação usual: título, artigos principais e código de barras. O spread inclui texto do artigo.

Utilizei ficheiros PNG com o fundo transparente enquanto fotografava, como sobreposição à fotografia para verificar a composição e, mais tarde, na pós-produção, para verificação final.

Fotografia-editorial-taças-vidro-cores-Martins-Ribeiro
Fotografia-editorial-taças-vidro-cores-Martins-Ribeiro

Conclusão

Espero que esta informação seja útil e ajude a criar fotografias que contem histórias e sejam expressivas.